Mês: agosto 2014

9 Dicas para controlar a vontade de comer doces!

Postado em Atualizado em

Confira dicas preciosas para reduzir aquela vontade imensa de comer doce toda hora!
 
  1. MUDE SUA ROTINA. Procure se lançar em tarefas desafiadoras (porém prazerosas) exatamente nos horários mais críticos. Ocupar-se é, quase sempre, uma boa saída para fugir da mania de mastigar.
  2. DESCUBRA OS MOTIVOS QUE LEVAM A BELISCAR. Se ficar diagnosticado ansiedade, faça psicoterapia. Um profissional dessa área pode mostrar o caminho para identificar as raízes do vazio emocional que você está preenchendo à mesa.
  3. TENHA HORÁRIOS PARA FAZER SUAS REFEIÇÕES. É imprescindível fazer todas: café e lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia. Adote intervalos de pelo menos duas horas entre elas – isso faz com que a fome nunca venha intensa.
  1. BUSQUE MOMENTOS PRAZEROSOS. Matricule-se em um curso de teatro, de artesanato ou agende uma massagem terapêutica. Atividades criativas e relaxantes são um canal para descarregar a ansiedade e suprir carências.
    01-comer-demais-faz-mal-maisbyte
  2. NADA DE DIETAS EXAGERADAS. Elas normalmente provocam efeito sanfona e costumam funcionar por tempo limitado. Ou seja, ao terminar as restrições a pessoa tende a engordar, às vezes até mais do que antes de fazer o regime.
  3. NÃO CONSUMA DOCES EM JEJUM OU NO MEIO DA TARDE. Prefira ingeri-los após o almoço, como sobremesa, assim você evita picos agudos de glicose no sangue – que leva à vontade de consumir muito mais açúcar.
  4. INTRODUZA LANCHES SAUDÁVEIS NO CARDÁPIO. Se ingerir uma maçã à tarde lhe parece uma missão complicada, tente uma barra de cereais com cobertura de chocolate, queijo Polenguinho, biscoito doce sem recheio ou mesmo um sanduíche light.
  5. SUE A CAMISA. Malhar o corpo é uma excelente solução. Ocupa o tempo e ainda alivia o estresse e a ansiedade, porque leva à produção de endorfina, uma substância do organismo que promove a sensação de bem-estar.
  6. PROCURE REDUZIR AS PORÇÕES. Se for impossível se render aos petiscos, separe uma quantidade menor de biscoitos. Em vez do pacote todo, fique só com três ou quatro unidades. A barra de chocolate inteira pode ser dividida em pequenas partes.

Você sabe o que é fibromialgia ?

Postado em Atualizado em

medico
O termo fibromialgia refere-se a uma condição dolorosa generalizada e crônica. É considerada uma síndrome porque engloba uma série de manifestações clínicas como dor, fadiga, indisposição, distúrbios do sono . No passado, pessoas que apresentavam dor generalizada e uma série de queixas mal definidas não eram levadas muito a sério. Por vezes problemas emocionais eram considerados como fator determinante desse quadro ou então um diagnóstico nebuloso de “fibrosite” era estabelecido. Isso porque acreditava-se que houvesse o envolvimento de um processo inflamatório muscular, daí a terminação “ite”.
Atualmente sabe-se que a fibromialgia é uma forma de reumatismo associada à da sensibilidade do indivíduo frente a um estímulo doloroso. O termo reumatismo pode ser justificado pelo fato de a fibromialgia envolver músculos, tendões e ligamentos. O que não quer dizer que acarrete deformidade física ou outros tipos de seqüela. No entanto a fibromialgia pode prejudicar a qualidade de vida e o desempenho profissional, motivos que plenamente justificam que o paciente seja levado a sério em suas queixas. Como não existem exames complementares que por si só confirmem o diagnóstico, a experiência clínica do profissional que avalia o paciente com fibromialgia é fundamental para o sucesso do tratamento.
A partir da década de 80 pesquisadores do mundo inteiro têm se interessado pela fibromialgia. Vários estudos foram publicados, inclusive critérios que auxiliam no diagnóstico dessa síndrome, diferenciando-a de outras condições que acarretem dor muscular ou óssea. Esses critérios valorizam a questão da dor generalizada por um período maior que três meses e a presença de pontos dolorosos padronizados.
Diferentes fatores, isolados ou combinados, podem favorecer as manifestações da fibromialgia, dentre eles doenças graves, traumas emocionais ou físicos e mudanças hormonais. Assim sendo, uma infecção, um episódio de gripe ou um acidente de carro, podem estimular o aparecimento dessa síndrome. Por outro lado, os sintomas de fibromialgia podem provocar alterações no humor e diminuição da atividade física, o que agrava a condição de dor.
Pesquisas têm também procurado o papel de certos hormônios ou produtos químicos orgânicos que possam influenciar na manifestação da dor, no sono e no humor. Muito se tem estudado sobre o envolvimento na fibromialgia de hormônios e de substâncias que participam da transmissão da dor. Essas pesquisas podem resultar em um melhor entendimento dessa síndrome e portanto proporcionar um tratamento mais efetivo e até mesmo a sua prevenção.
Fonte e mais informações: http://www.fibromialgia.com.br/